Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Práxis

Os filósofos limitaram-se sempre a interpretar o mundo de diversas maneiras; porém, o que importa é modificá-lo.

Práxis

Os filósofos limitaram-se sempre a interpretar o mundo de diversas maneiras; porém, o que importa é modificá-lo.

Sonhos, acreditemos neles

02.01.22

external-content.duckduckgo.com.jpeg

Platão foi quem disse, em um de seus diálogos, a seguinte frase: “Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida.” Apesar de não ser dos meus favoritos, tendo a concordar com esses dizeres, principalmente em épocas sensíveis como a que vivemos. Em nossa cultura é comum cultuarmos o natal como um período de renovação, de limpeza interior. Neste período, muitos buscam “paz espiritual” e outros tantos passam a refletir sobre o ano que passou. Votos remetendo a PAZ, AMOR, FELICIDADE, SAÚDE, DINHEIRO... são correntes e não há quem não os faça. Mesmo aquelas pessoas com as quais mantemos certas desavenças, durante este período se tornam mais aprazíveis e mais dóceis a nosso olhar.

É claro que para a cristandade esta data tem uma importância ímpar, porém essa nossa relação mais amistosa e carinhosa com nosso próximo tem outros pormenores não menos importantes. É que sabiamente dividimos nossa vida em pequenos ciclos: segundos, horas, dias, semanas, meses, anos, décadas… É assim que pensamos e organizamos nossas vidas e é dessa forma que planejamos nossa atuação no palco da vida, por etapas. Interessante isso, não?

Tanto que talvez seja essa a principal mensagem passada no final do ano, em todas as culturas: a de ESPERANÇA. Daí a escolha desta frase para proferir essas poucas palavras, porque ela remete a isso. Lembremos que o substantivo esperança vem do verbo latino esperare, que significa literalmente “esperar”. Etimologicamente a palavra não porta essa mensagem de renovação, de fé que aquilo que passou são “águas passadas”; sua mensagem é mais óbvia e remete diretamente a algo que está fora de controle, que é impossível de se alterar, afinal de contas só esperamos aquilo que não cabe a nós decidir. Se jogarmos na sena, não nos cabe ir a uma casa de apostas retirar o prêmio; é preciso que esperemos passivamente o sorteio acontecer e torcer para que sejamos sorteados.

E por que então ESPERANÇA adquiriu esta conotação tão simbólica e tão repetida nos dias de hoje? Porque a linguagem é como a vida: está sempre em movimento, em transformação. É porque a Esperança (com E maiúsculo), este sentimento singelo que por vezes nos faz mudar de atitude, só existe de fato se nos fizer dar um passo a frente (às vezes até um passo “atrás” aos olhos de outros), muitas vezes em busca do incerto e até do desconhecido. Essa é a mensagem simbólica desta sentença de Platão, extraída, diga-se de passagem, de uma de suas obras mais conhecidas, A República. Negando o conceito esperar como aquele de esperare, o filósofo grego que viveu quase quatro séculos antes de Jesus, já alertava: se movimente, não espere sentado passivamente deixando-se levar pelas conveniências. Em suma, haja com esperança de que algo distinto daquilo que vivemos não seja somente possível, mas necessário.

Façamos juntos então como aqueles personagens de sua alegoria mais conhecida, a alegoria da caverna: saiamos de onde estamos e demos um passo a frente, juntos, rumo ao “desconhecido”, pois o que conhecemos e experienciamos já se mostrou inviável e está somente nos levando à bancarrota enquanto humanos, enquanto humanidade. Expurguemos de nossas mentes as imagens turvas que nos projetam como reais, mas que não passam de caricaturas distorcidas da realidade. Se assim o fizermos, tenho certeza de que a realidade que nos espera depois deste singelo e poderoso gesto será muito mais colorida do que esperávamos e muito menos dolorosa do que prevíamos, afinal, como proferiu Trotsky em seu testamento: “A vida é bela, que as gerações futuras a limpem de todo o mal, de toda opressão, de toda violência e possam gozá-la plenamente”.

E que acreditemos em nossos sonhos, pois é preciso sonhar, mas com a condição de crer em nosso sonho, de observar com atenção a vida real, de confrontar a observação com nosso sonho, de realizar escrupulosamente nossas fantasias. Sonhos, acreditemos e lutemos por eles. Um Feliz ano de 2022 a tod@s @s leitor@s que me acompanham e àquel@s que porventura venham bisbilhotar este blog. São meus honestos e sinceros votos.